O seu lado investidor conquistando independência financeira

Investir em ações

Porque investir na bolsa parece ser tão difícil

Por quê será que investir na bolsa de valores parece ser tão difícil para a grande maioria das pessoas? Essa é uma pergunta que, para ser respondida adequadamente e de modo completo, precisa de alguns esclarecimentos. Assim, nós do Investir Side resolvemos escrever esse artigo para que você possa saber exatamente quais são os principais motivos por trás desse fato e quais os principais fatores que causam – ou pelo menos aumentam drasticamente as chances – o fracasso de investidores e traíres iniciantes na bolsa de valores.

Já aviso de antemão que esse será um artigo bastante longo, portanto, pode preparar seu café e separar um bom tempo para ler se você está realmente interessado em aprender Como investir na bolsa de valores , porque o que será ensinado aqui é fundamental para todos que tem interesse em investir no mercado de ações. Para facilitar a leitura iremos separar aqui em algumas partes diferentes, desde as partes mais simples necessárias para se investir na bolsa – como abrir uma conta em uma corretora – passando pela elaboração do plano de investimentos e como otimizar constantemente sua estratégia de investimentos e se proteger contra os riscos do mercado. Então vamos começar.

 

 Como escolher uma boa corretora para iniciar seus investimentos em bolsa

 

Investir na bolsa de valores começa com a escolha da sua corretora. Aqui não vão faltar opções para você que está começando a investir mas, como você rapidamente irá aprender nesse mercado, poucas opções são realmente válidas ou dignas de ser consideradas para quem esta sério em investir para valer na bolsa de valores.

Como investir na bolsa  A primeira coisa que você tem que prestar atenção e pesquisar bem na hora da escolha de uma corretora de ações é o Home Broker que ela possui. Um bom Home broker vai te livrar de muitas frustrações no mercado e oportunidades perdidas

Um segundo fator a ser analisado na escolha da corretora de investimentos é a taxa de corretagem. Essa taxa provavelmente terá um grande impacto na sua rentabilidade como investidor, especialmente nesse início no qual provavelmente o capital com  qual você esta investindo será provavelmente pequeno.

É claro que em alguns casos a taxa de corretagem irá ter um impacto bem maior do que o comum, como no caso de um Day trader que faz dezenas ou as vezes centenas de operações em um único. Porém, de qualquer modo essa taxa pode impactar bastante nos seus lucros na bolsa e é bom ficar de olho. Não exagere entretanto, pois também é comum que muitas corretoras ofereçam as vezes corretagem zero para atrair o máximo possível de investidores, porém você paga isso em uma infraestrutura extremamente inferior, como um Home broker que irá travar repetidas vezes e te fazer perder muito dinheiro no mercado.

Esses dois são os principais fatores para escolher uma boa corretora. Além deles alguns outros podem ser importantes, como a qualidade do atendimento e suporte da corretora, mas em geral esses dois são os que tem a relação mais direta com os tipos de resultado que você será capaz de produzir investindo na bolsa – pelo menos do ponto de vista da corretora que você usa.

 

Montando sua estratégias de investimentos da Bolsa de valores

 

Após abrir uma conta em uma corretora e se adaptar ao Home broker, chega a hora de montar a sua estratégia de investimentos que irá lhe guiar nas suas decisões no mercado de ações. Entretanto, antes de formular uma estratégia para investir em ações você precisa compreender que o real fator pelo qual a maior parte das pessoas que tenta começar a investir na bolsa de valores acaba fracassando mais cedo ou mais tarde não é a falta de uma estratégia de investimentos tão diferenciada e superior, mas simplesmente a sua incapacidade de conseguir aplicar uma estratégia ainda que moderadamente decente com consistência. Vou explicar melhor o que queremos dizer aqui.

Quando você investe na bolsa de valores há sempre um fator quase invisível que muitos iniciantes tendem a ignorar: o fator psicológico. Você pode saber exatamente o que fazer e ter dominado todos os conceitos e técnicas para investir em ações, porém quando finalmente chegar lá na hora de aplicar todos aqueles conhecimentos no mercado, com a pressão crescendo exponencialmente momento a momento, a tendência natural é que você cometa erros extremamente bobos as vezes e perca uma quantidade significativa de dinheiro se não tiver o psicológico treinado para enfrentar as oscilações do mercado.

Como investir em ações       No fim das contas, muitos investidores iniciantes até tem um bom plano de investimentos para guiá-los, porém eles simplesmente não tem a fortitude mental para suportar as incertezas e aleatoriedades do mercado e, mesmo tendo condições técnicas para aplicar aquele conhecimento, acabam não conseguindo. Portanto, o primeiro passo para começar a investir na bolsa de valores é treinar a sua mente para suportar todos os obstáculos e eventos inesperados que você irá encontrar no mercado de ações e, assim, poder tomar as decisões corretas e se manter fiel ao seu plano de investimentos.

 

Uma vez que você tenha treinado a sua mente para se tornar um investidor no mercado de ações – por mínimo que seja pois, para um investidor o treinamento mental jamais termina – chega a hora de montar a sua estratégia de investimento. Para iniciar nessa empreitada a primeira coisa que você precisa fazer é saber exatamente o tipo de investidor que você é, pois isso irá determinar qual o tipo de estratégia de investimento será o ideal para você. Podemos falar aqui, basicamente, de duas grandes escolas de investimento, com diversos desdobramentos em técnicas específicas: A escola fundamentalista e a escola grafista. Vamos explicar o que é exatamente cada uma dessas.

A escola fundamentalista se baseia na ideia de encontrar no mercado empresas que estejam subprecificadas em relação ao seu real valor, ou seu valor intrínseco, e comprar as ações dessa empresa nesse momento, de modo que quando o mercado finalmente precificar as ações pelo preço correto você terá feito um ganho. Muitas vezes, os investidores que compram ações na bolsa de valores por meio desse método pretendem apenas se tornarem sócios a longo prazo da empresa em questão.

Para aplicar o método fundamentalista na prática existem uma série de indicadores que serão utilizados para determinar qual as empresas efetivamente estão subvalorizadas, e diferentes investidores fundamentalistas irão utilizar uma combinação peculiar de indicadores, entretanto existem alguns indicadores que são quase fundamentais em sua constante utilização. Alguns deles são a razão dividendos/preço de uma ação, que nos diz se uma determinada empresa distribui dividendos em um patamar razoável ao preço de sua ação no mercado. Em geral, boas ações distribuem dividendos altos proporcionalmente, e uma empresa que consistentemente distribui bons dividendos aos seus acionistas tende a ser um negócio saudável para se investir. Obviamente, existem uma série de outros indicadores fundamentalistas que você irá utilizar para decidir se o valore intrínseco da empresa na qual você pretende investir é o maior do que o mercado esta considerando naquele momento, como a taxa de crescimento da empresa nos últimos anos, o crescimento dos dividendos, além de vários outros indicadores internos sobre o desempenho da empresa bem como indicadores macroeconômicos em maior escala sobre a economia como o desempenho daquele mercado em que ela se insere.

investindo na bolsa com buffet            O melhor exemplo de investidor que se baseia na análise fundamentalista e teve grandes resultados é sem dúvida Warren Buffet. Como investidor, bufete sempre se preocupou em selecionar empresas com algum diferencial competitivo que não estivesse sendo considerado pelo mercado, o que a tornaria bem sucedida a longo prazo e, ao mesmo tempo, permitiria a buffet comprar suas ações por um preço bem menor do que o comum. Além disso, ele sempre focou no longo prazo, buscando se tornar realmente sócio das empresas nas quais investiu, e não apenas comprar ações para revender com lucro algum tempo depois.

Será que isso significa que o método fundamentalista é o melhor método de investimentos que existe? ou mesmo que você deveria utilizá-lo para investir na bolsa de valores? É claro que não, pois o melhor método para você será diferente do melhor método para algum outro investidor, dependendo do seu perfil e como você tende a se comportar no mercado de ações.

A outra grande escola de investimentos que, em popularidade, se equivale a escola fundamentalista, é a escola grafista. Essa escola se baseia naquilo que se chama de análise técnica, ou análise gráfica, que basicamente tenta prever os padrões de movimentação do mercado através da análise das flutuações do preço daquele ativo ao longo do tempo, de modo a “capturar” o próximo movimento. Essa escola se baseia em uma ideia bastante interessante, que é a ideia de que todas as informações que você vai precisar como investidor para efetivamente investir na bolsa de valores já estão contidas nas variações de preços da ação em questão ao longo do tempo, além do volume de negociação. Isso porque qualquer movimento de um investidor maior – que possivelmente pode ter acesso a informações que você não tem – irá se refletir na movimentação de preço daquela ação e no volume negociado e, assim, um investidor comum que soubesse analisar essas informações poderia investir de maneira tão eficiente quanto um investidor de maior tamanho no mercado.

A análise técnica possui algumas peculiaridades para que possa ser aplicada com sucesso. A primeira delas é que o preparo psicológico se torna ainda mais importante nesse caso. Isso porque com a análise técnica você geralmente não terá um foco de longo prazo como na análise fundamentalista, de modo que uma queda vertiginosa no preço de uma ação – ainda que momentânea – tende a se tornar desastrosa para você pois, ao contrário dos investidores fundamentalistas, você não pode simplesmente esperar a ação se recuperar e subir de preço pois seu foco não é se tornar sócio das empresas em que investe, mas sim especular com elas, ou seja, se aproveitar das diferenças de preço e flutuações do mercado para lucrar.

Desse modo, para ser um investidor bem sucedido utilizando a análise técnica você tem que estar preparado para os imprevistos do mercado em um grau ainda maior do que no caso da análise fundamentalista. Assim como na escola fundamentalista, a análise gráfica se utliza de indicadores técnicos para determinar o momento de entrada – e também de saída – do mercado. Como aqui o foco é se aproveitar de uma discrepância dos preços de uma ação ou ativo entre dois momentos distintos, é mais comum que você seja afetado por perdas, por isso a gestão de riscos – algo que falaremos logo mais – é ainda mais importante quando se trata de análise técnica.

No fim, o que irá determina qual o método de investimentos ideal para você é o seu perfil de investidor. Nesse sentido, recomendo a você que se familiarize com os dois métodos de investimento principal – técnico e fundamentalista – e decida qual é o que mais se adapta a você.

 

Como se proteger dos riscos do mercado de ações

 

Após montar a sua estratégia de investimentos, chegamos a parte mais importante para o seu sucesso como investidor na bolsa a longo prazo: A gestão de risco. Ao contrário do que muitos imaginam, o principal objetivo de um investidor deve ser proteger o seu capital e evitar perdas desnecessárias. Isso porque perdas frequentes, mesmo que pequenas, tendem a depletar o seu capital com grande velocidade e tornar muito mais difícil que você volte ao patamar anterior, além do efeito psicológico devastador que o simples fato de perder pode ter em um investidor, especialmente um iniciante, o que pode levá-lo a cometer novos erros subsequentes no desespero de tentar corrigir as perdas e assim acabar criando um ciclo vicioso.

Quando visualizamos o efeito do acúmulos de perdas, fica bem fácil entender o porquê de dar prioridade a gestão de risco – acima até dos potenciais de retorno dos investimentos. O grande ponto é que a cada vez que você perde dinheiro na bolsa é proporcionalmente mais difícil que você retorne ao patamar anterior que se encontrava antes de ter aquela perda e, quanto maior é o montante da perda ou do acúmulo de perdas, essa dificuldade cresce de modo exponencial.

Para entender melhor como isso funciona, imagine o seguinte cenário: digamos que após algumas más decisões de investimentos você acumule perdas no montante total de 20%, deixando você com apenas 80% do seu capital inicial de investimento. Nesse cenário, você precisará de um retorno de 25%, considerando seu capital atual reduzido, para retornar ao montante que você já tinha, muito embora você tenha tido uma perda de 20%. (Pois 20% é 25% de 80%, para chegar aos 100% anteriores).

Esse efeito tende a se expandir com grande velocidade a medida em que as perdas se acumulam e se tornam maiores em relação ao seu capital inicial. Se você por exemplo perder metade de seu capital na bolsa de valores, ou seja 50% do seu capital inicial, você agora terá que obter um retorno de 100% em cima do seu capital apenas para retornar ao patamar que você estava anteriormente a qualquer investimento! Com certeza, você pode imaginar que dobrar o seu capital na bolsa de valores em um curto espaço de tempo é algo significativamente difícil, agora imagine ter que fazer todo esse esforço apenas para retornar ao mesmo nível de capital que você tinha antes. Quanto maior a perda, maior será essa discrepância. Perdendo 80% de seu capital, você terá que quintuplicar seu capital para retornar ao seu patamar anterior.

Exatamente por isso que Warren Buffet costuma dizer que as 3 principais regras de investimento são: Nunca perca dinheiro, nunca perca dinheiro, nunca perca dinheiro. Portanto, você deve respirar gestão de risco dia e noite caso tenha pretensões de ser um investidor de sucesso a longo prazo. Felizmente, não é tão difícil aprender técnicas eficientes de gestão de risco, porém o grande desafio aqui é se manter disciplina e com o psicológico blindado para resistir a tentação que sempre será mais comum do que você imagina de quebrar as regras de gestão de risco “so um pouquinho” para se aproveitar de alguma grande oportunidade de investimento que você julga estar surgindo no mercado. Assim, o preparo psicológico anda de mãos dadas com uma gestão de risco eficiente.

Investindo em ações na bolsa  Gostaria de finalizar esse artigo com uma recomendação um livro que eu julgo que será essencial para que você se torne o melhor investidor que você pode ser. Trata-se do livro trading in the zone do Mark Douglas, que fala exatamente sobre como aprender a controlar a sua mente no processo de investimento e trading. Esse livro é leitura fundamental para que você aprenda a não ser abalado pelas movimentações do mercado e mantenha sempre seu psicológico blindado, que é o fator que, de longe, irá garantir o maior sucesso possível para qualquer investidor na bolsa de valores a longo prazo.

 

 

 

 

 

 

Um guia rápido para investir em ações

             A ideia de investir na bolsa de valores ainda amedronta muitas pessoas, mas será que precisa ser mesmo assim? É claro que ao colocar seu dinheiro no mercado de ações, existem riscos latentes que precisam ser considerados, mas se você tiver a orientação correta para iniciar seus investimentos, então a probabilidade de que você tenha uma experiência desagradável irá diminuir drasticamente. Por isso, hoje preparamos esse rápido guia de como investir em ações

 

Para começar sua jornada de investimentos, a primeira coisa que você precisará fazer é decidir se você será de fato um investidor ou aquilo que chamamos de um trader. Assim, vamos começar esse pequeno guia falando sobre as diferenças entre os dois conceitos. Um investidor no mercado de ações é alguém que procurar empresas que considere com potencial para comprar suas ações e de fato se tornar um sócio daquela empresa, apostando que ela desempenhará bem no futuro e com isso poderá distribuir dividendos cada vez maiores. Eventualmente, um investidor poderá vender algumas de suas ações porém o foco dele é sempre se tornar sócio a longo prazo das empresas das quais compra as ações.

como investir em ações

Já o trader é um pouco diferente. Também conhecido, as vezes pejorativamente, como especulador, o trader é alguém que busca se aproveitar das inconsistências do mercado na precificação das ações e outros valores mobiliários, comprando a quando o preço esta baixo para revender quando o preço esta alto, em resumo. A principal diferença do trader para o investidor é que, para o trader, pouco importa de qual empresa é a ação que ele esta comprando, já que não pretende ser sócio da mesma. O que realmente importa é que a referida ação apresente alguns sinais de que irá subir d e preço dentro de um futuro próximo, de modo que o trader saiba que ao adquirir aquela ação poderá obter um bom lucro.

 

Sabendo dessa distinção cabe a você decidir o que você será ao investir na bolsa de valores. Isso irá variar principalmente em função da sua personalidade e do que se adequa mais ao seu perfil. Em geral, não há uma necessidade de tempo maior para que alguém seja um trader – a menos que estejamos falando de day trading, onde a dedicação é diária e portanto quase sempre maior – mas apesar disso o trading constuma requerer que você pelo menos acompanhe o mercado numa frequência semanal. Já como investidor, ao se tornar sócio de empresas que você selecionou após a sua análise, não é necessário via de regra que você tenha uma dedicação de tempo extremamente expressiva.

Investir em ações

Após decidir qual caminho seguir, algumas coisas serão fundamentais para garantir o seu sucesso como investidor – ou como trader, mas para fins de simplicidade iremos nos referir aos dois nesse artigo apenas como investidor. O primeiro ponto que eu quero tocar aqui é sobre a importância do seu preparo psicológico para investir em ações na bolsa de valores. Pode acreditar, de nada irá adiantar você possuir um grande conhecimento sobre o mercado se você não conseguir se manter calmo e frio diante das movimentações muitas vezes completamente imprevisíveis e caóticas que o mercado trará.

 

Existem muito métodos que você pode utilizar para treinar o seu psicológico para investir. Uma leitura que eu recomendo fortemente nesse aspecto é o trading in the zone do Mark Douglas. Esse livro fala exatamente sobre o aspecto psíquico do trading, te ensinando em passos simples algumas técnicas interessantes para aumentar a sua fortitude mental e explicando a forma como o seu cérebro opera em uma atividade de risco como o trading.

 

Outro método bem interessante para que você aumente a sua capacidade psíquica e resiliência aos movimentos de mercado é a meditação. A meditação te ajuda a manter seus pensamentos sob controle e, com isso, adquirir controle sobre a sua própria mente, podendo assim “desligar” pensamentos indesejáveis em um momento de crise e enxergar a situação e a solução pertinente com muito mais clareza. Desse modo a meditação te ajuda em grande medida a liberar a faculdade criativa do cérebro, levando a soluções muitas vezes exóticas porém muito mais eficientes. Apenas para te dar mais uma razão: considerado o maior gestor de fundos hedge da atualidade, Ray Dalio atribuir à meditação o principal motivo por seu tremendo sucesso, exatamente por permiti-lo enxergar as coisas com clareza em momentos de alta turbulência.

 

Uma vez que você tenha decidido se será um trader ou um investidor e tenha conseguido resolver um mínimo de fortitude psíquica para investir, o próximo passo é tentar elaborar um plano de investimentos que esteja adequado ao seu perfil como investidor e que você possa aplicar constantemente ao investir em ações. Em primeiro lugar, você deve decidir qual será a orientação geral dos investimentos que você irá fazer. Então se você é um investidor, por exemplo, em que tipo de empresas irá investir, em que setor da economia? Que tipo de fundamento usará principalmente: dividendos, crescimentos nos últimos anos? Margem de lucro? Barreiras a entrada no setor? Se for um trader, que tipo de estratégia irá usar, que tipo de indicadores? Qual sua estratégia de stop-loss? Enfim, existem dezenas de questões que precisam ser consideradas quando você montar a sua estratégia e entrar nas nuances disso é algo que foge um pouco do escopo desse artigo.

 

O importante é que você saiba o que se encaixa melhor no seu perfil e o quanto a sua estratégia de investimentos é fácil de ser aplicada para o seu caso específico. Quanto mais você conseguir criar uma estratégia que esteja adaptada a como você agiria normalmente, maiores serão suas chances de aplica-la consistentemente ao longo do tempo.

 

Por fim, algo que é de fundamental importância para que sua estratégia de investimentos em ações possam performar bem é a gestão de risco. Gestão de risco é basicamente o nome que damos a estratégias para limitar e controlar o risco que corremos em uma determinada situação. Essa parte da estratégia é muito importante porque, ao contrário do que muitas pessoas pensam, limitar suas perdas ao investir é ainda mais importante do que perseguir ganhos a qualquer custo, pois bastam um punhado de decisões ruins e consequentes perdas para que você seja tirado completamente do mercado.

 

Então é isso. Esses são os elementos essenciais de uma boa estratégia de investimento. É claro que muita pesquisa ainda precisa ser feita por você, mas espero que esse artigo tenha lhe dado uma boa noção e ajude-o na sua jornada.